Candidato à Assembleia de Freguesia de Castêlo da Maia

Naturalidade

Gondim-Maia

Local de Residência

Gondim-Maia

Nacionalidade

Portuguesa

Profissão

Estudante

Apresentação Pessoal

O meu nome é Nuno Miguel Martins dos Santos Arada.
Sou natural de Gondim-Maia, fui criado pela minha família, avós paternos e maternos, assim como pela minha Mãe que estimo bastante, pois todos eles me deram tudo e mais alguma coisa.
Poderia falar do quão guerreiros eles são, mas quem se submete à candidatura e ao escrutínio sou eu e não eles.
Tenho 22 anos, sou um jovem, não tenho problema nenhum em assumir-me como anti-poder e privilegiado. É esse o espectro que paira sobre a minha geração. Sobre mim, gosto de salientar vários aspectos que me marcaram e ainda me marcam: Nunca falhei um ciclo de estudos, e toda a Educação que tive, aproveitei-a com conhecimento e sobretudo com juízo. Sempre frequentei o Ensino Público, por opção própria desde a préescola
aqui na Escola Básica de Porto Bom na freguesia de Gondim até à faculdade, neste momento em Mestrado no ISCAP em S. Mamede Infesta. Falo várias línguas (as minhas línguas de trabalho são o Português, o Inglês e o Espanhol) e gosto bastante de viajar por locais desconhecidos e de conhecer novas pessoas. Estes “skills” e capacidades multilinguísticos e interculturais ensinaram-me que é com o diálogo racional que se resolvem as maiores das adversidades.

Em termos de experiência profissional, vou dizer o seguinte: Tenho 22 anos. Estudo desde que me lembre. Todos os trabalhos que tive, deram-me muita experiência, amizades e conhecimentos, mas nunca me deram estabilidade. Costumava ser guia turístico pela cidade do Porto, assim como guia em alguns festivais internacionais de danças folclóricas.
Tive a oportunidade de fazer Erasmus na Universidade Konstantine the Philosopher em Nitra na Eslováquia por 6 meses onde fiz imensas amizades e após essa experiência consegui estabelecer imensos paralelismos entre Nitra e Eslováquia e a minha própria terra, Gondim-Maia, Porto, Portugal. Também sinto que desenvolvi o meu carácter participativo como cidadão europeu já que para o bem e para o mal, tive de me “desenrascar”
6 meses num país que não fala a minha língua.
A minha candidatura deve-se somente à minha mãe e à minha família nomeadamente meus avós. Faço já a seguinte declaração de interesses: não estou comprado por ninguém, não serei comprado por qualquer um. Quem quiser votar na minha candidatura é livre de o fazer. É para isso que aqui me apresento. Considero-me capaz e com competência para exercer as funções a que me candidato. Para terminar, acredito na Democracia Representativa, mas sobretudo na Participativa. Newton disse que acção gera reacção. É a participar que se muda o mundo. Por isso, submeto-me com muita fé e alma a este processo. Não sou experiente, mas ao
contrário de muitos, sou honesto e preocupo-me verdadeiramente com os problemas da minha terra. É o suficiente.

Redes Sociais

Facebook: Nuno Arada
Instagram: @nunow.miguel

Apresentação de candidatura

Isto é a minha apresentação de candidatura à freguesia da minha terra, Gondim da Maia. (Será um bom discurso, prometo). Tanto poderia ser candidato à Junta do Castêlo da Maia assim como à Junta da Freguesia de Barca. Até o próprio pároco, Sr. Padre Nuno Vieira, é pároco das freguesias de Gondim e Barca, e não
de nenhuma outra freguesia constituinte do Castêlo da Maia (isto inclui Santa Maria de Avioso, São Pedro de Avioso, Gemunde). A partir daqui já se consegue intuir quem são os responsáveis políticos do estado a que chegamos.

Se os actuais dirigentes e políticos no poder, não tivessem decidido extinguir as freguesias da nossa terra, esta candidatura não avançaria. Eu não teria a motivação que tenho para estar aqui a escrever estas palavras. Eu vi a terra dos nossos avós ser entregue aos senhores de fato e gravata rendidos ao imobiliário e àqueles que procuram o lucro ao invés do progresso e bemestar da comunidade, dos fregueses. A minha avó ainda hoje me
diz: “a terra é de quem a trabalhar”.
E digo “extinguir freguesias” como quem diz “esquartejar freguesias a régua e esquadro com alcatrão” tendo somente em conta os interesses económicos e financeiros de alguns, e não os interesses locais e ambientais da população das freguesias, que diga-se de passagem, não votaram para acabarem com as suas próprias freguesias. Que quanto mais o tempo passa, mais alcatrão e menos passeios têm. Se é este o futuro que
pretendemos para as futuras gerações onde me incluo, estamos condenados. Eu não quero acreditar que estamos condenados.
Muito pelo contrário, darei até uma nota saudosista, “falta cumprir-se Portugal!”. Os desafios de agora, não são os desafios de antigamente, mas os “Velhos do Restelo” são os mesmos. E eu não vejo os dirigentes da minha freguesia e concelho a movimentar-se e a defender os interesses dos seus cidadãos como deveriam.
Toda a vida vivi na Maia, entre Gondim e Pedras Rubras.
Considero-me capaz e com competência para exercer as funções a que me candidato. Digo mais: candidato-me sobretudo pelos meus avós que não enveredaram pela política, mas que sempre trabalharam em vários ofícios ao longo da sua vida nomeadamente em confecção de roupas, construção civil e no campo como caseiros. Que viveram períodos históricos completamente diferentes da realidade de hoje-em-dia, mas que continuam a merecer tudo e mais alguma coisa.
Para terminar, acredito na Democracia Representativa, mas sobretudo na Democracia Participativa. Seria impensável há 30 anos atrás ter um candidato à Junta com as mesmas capacidades, aptidões e características que eu próprio enquanto indivíduo disponho. Hoje, em 2021 isso é possível, porque ao contrário do que muitos apregoam, a Democracia não está morta.
Muito pelo contrário, está viva, de boa saúde, e bem entregue aos que nela acreditam. E aliás, a “pouca experiência” que o meu curso me dá, diz-me que palavras têm peso e consequência.
Eis os pontos que gostaria de ver melhorados na minha freguesia: Transportes Públicos com rotas e horários
competentes (exigir estudos que comprovem a eficácia das rotas às empresas que detêm rotas públicas concessionadas); Desenvolvimento Sustentável da Comunidade; Mais espaços verdes e acessíveis a todos os fregueses; Reorganização/Melhoramento dos sistemas de informação e resolução de problemas dos fregueses (burocracias); Internacionalização da Freguesia; Representação fiel e reaproximação do estatuto de “político” à vida real dos seus fregueses e concidadãos; Apropriação de terrenos e caminhos de terra antigos e ainda hoje usados por fregueses, para fins de interesse público e não do interesse privado (muitos terrenos em
freguesias estão à venda por imobiliárias privadas e não existem registos de propriedade acessíveis e transparentes aos cidadãos; e muitos projectos de licenciamento apoderam-se de bens públicos tais “caminhos de cabra” antigos circundantes às propriedades e margens de rios/ribeiras onde não se devia poder
construir “tão facilmente”).
Posto isto e tendo em conta todas as palavras acima referidas, eu Nuno Miguel Martins dos Santos Arada considero-me capaz e com competência para exercer as funções a que me candidato. A de fazer representar os meus avós, os meus pais, os meus vizinhos, os meus colegas, os fregueses da minha terra que acreditarem em mim.