Naturalidade

Valongo

Local de Residência

Lousada

Nacionalidade

Portuguesa

Profissão

Professora do ensino secundário

Apresentação Pessoal

Licenciada em Ensino de Português-Inglês pela Universidade do Minho em 1994 e residente no distrito do Porto, sou professora de Inglês do terceiro ciclo e do ensino secundário na Escola Secundária de Lousada, na qual sou professora do quadro de nomeação definitiva desde 1996. Preparo também alunos e alunas para os Exames de Cambridge, lecionando vários níveis de Inglês no Instituto de Línguas de Penafiel – APAR. Ao longo dos anos, dinamizei na Escola Secundária de Lousada vários projetos entre escolas europeias, como o Projeto Comenius, entre 2010 e 2012, que envolveu oito escolas de Itália, Holanda, Alemanha, Turquia, Espanha, Polónia e Portugal. Desde 2010, tenho promovido anualmente uma viagem de estudo com as alunas e os alunos desta escola a vários países europeus, através da IES, com foco em programas culturais, artísticos e turísticos, tendo como principal objetivo a abertura da escola a outras realidades europeias.

Desde sempre interessada pela política nacional, europeia e internacional, não fui, até à presente data, militante de nenhum partido, apesar de alguns convites, nem me envolvi em muitas iniciativas da vida civil que não estivessem de alguma forma relacionadas com o ensino, não só por não me rever na conduta ética da maioria dos partidos existentes mas também por – até conhecer o LIVRE – não encontrar qualquer partido realmente de esquerda e, em simultâneo, assumidamente europeísta, dois fatores que são indissociáveis das minhas opiniões políticas. Tenho, contudo, participado em diversos eventos sociais, de âmbito progressista, nomeadamente o “Encontro de Mulheres” em Março de 2018, na Escola Artística Soares dos Reis.

Na atual conjuntura de reacionarismos e populismos de extrema-direita, resultado da prevalência não só de notícias falsas que são continuamente disseminadas na era da informação como do produto da frustração de grande parte da população face às instituições distanciadas de quem devem representar, bem como de outros fatores já frequentemente diagnosticados, senti necessidade de intervir a nível político, sobretudo por ter encontrado no LIVRE um partido novo, com posições claramente concordantes com as minhas, tanto a nível ideológico e económico, como ambiental e social. Com o intuito de participar no processo democrático como ele deve ser realizado e como é fomentado pelo LIVRE, envio a presente candidatura assegurando a partilha de uma visão em comum com os princípios do partido de Universalismo, Liberdade, Igualdade, Solidariedade, Socialismo, Ecologia e Europeísmo.

Como políticos de destaque que refletem de maneira exímia a maior parte das ideias que partilho, para além de Rui Tavares, existem vários associados à Frente Progressista Internacional como Bernie Sanders, Yanis Varoufakis, Fernando Haddad e, como exemplo inspirador, Alexandria Ocasio-Cortez

Redes Sociais

Facebook: https://www.facebook.com/filipa.pinto.562 ; Twitter: https://twitter.com/filipagpinto

Apresentação de candidatura

Acredito numa alternativa pró-europeísta para Portugal, com um projeto federalista mais democratizado, que facilite a participação direta dos cidadãos e das cidadãs e que procure aperfeiçoar a sua proximidade constantemente, tal como é objetivo do movimento Primavera Europeia. Revejo-me numa União Europeia recetiva à ideia de democracia deliberativa, de diversidade, de combate à evasão fiscal bem como à corrupção e de avanço coletivo, sem nunca desrespeitar o pluralismo e a individualidade de cada pessoa.

Concebo a existência de uma economia mista, com mercado devidamente regulado para segurança de trabalhadoras e trabalhadores, para proteção do meio ambiente e para evitar as desigualdades sociais, defendendo para tal um Estado de bem-estar social onde cada pessoa contribua de acordo com as suas possibilidades, de modo a assegurar Serviços Públicos funcionais, de qualidade e constitucionalmente inalienáveis. A procura da equalização das possibilidades económicas deve ser um objetivo constante para quem é de esquerda e acredita numa realidade pela via democrática onde toda a gente tem voz participativa.

Se escolhesse uma palavra para me descrever politicamente, Progressista seria a mais adequada, por transmitir o conjunto dos meus princípios, uma vez que se baseiam, sem exceção, na ideia de progresso e de um futuro melhor, traduzindo-se ideologicamente num alinhamento com o socialismo democrático, a política verde e com uma social-democracia de elevado ênfase na justiça social.

Para além de ativa ao longo dos anos em manifestações pelos direitos dos professores, de procurar ser vocal na defesa dos funcionários públicos e da classe trabalhadora de ambos os setores, algumas das principais causas em que acredito e que procuro difundir enquanto cidadã e professora são:

– A igualdade de género, identificando-me como feminista. Sou por isso pró-sistema de quotas para que se consiga corrigir uma desigualdade histórica particularmente no contexto político, pró-escolha com o direito à interrupção voluntária da gravidez (e também com o direito à eutanásia) para assegurar a autodeterminação reprodutiva e corporal de todas as pessoas e pela paridade salarial em qualquer área profissional, permitindo a solidificação desta equidade tanto em oportunidades de carreira como em retorno financeiro;

– A multiculturalidade, enfatizando o respeito pelas diversas culturas e pressupondo valores antirracistas, anticolonialistas e antixenófobos, de dever humanitário para com refugiados e de recetividade face a imigrantes, com a necessária facilitação à integração. Não vejo a variedade cultural e a abertura à imigração como uma tolerância, mas sim como uma mais-valia para a sociedade em geral e para a economia;

– A inclusividade LGBTQ+, porque acredito numa educação direcionada para a aceitação de todas as orientações sexuais e de todas as identidades de género, como no direito ao casamento homoafetivo, à coadoção e adoção por famílias homoparentais, sem esquecer a autodeterminação de género de todas as pessoas e punição legal para a discriminação e para crimes de ódio;

– Os direitos dos animais, posicionando-me contra a tauromaquia e contra qualquer sofrimento causado desnecessariamente, especialmente para fins de entretenimento como circos, abuso animal em festas populares e caça, apoiando iniciativas contra maus-tratos e abandono. Oponho-me à criação de animais para a indústria das peles e defendo a melhoria das condições de transporte e de criação na indústria pecuária, sem esquecer a crença na responsabilidade estatal de facilitação de estilos de vida sem crueldade animal, como a oferta de refeições vegetarianas em estabelecimentos públicos;

– O ambientalismo, promovendo informação com fundamentos científicos e apurando consciências para as alterações climáticas, para a ameaça que estas representam para o planeta e para todos os seres vivos. Procuro sensibilizar para o impacto observável da ação humana irresponsável nos ecossistemas, salientando a obrigatoriedade de conservar a biodiversidade e apresentando soluções diárias que podem ser postas em prática para fazer a diferença.

Por todas estas razões, identifico-me com o ideário e programa do LIVRE e apresento a minha disponibilidade para fazer chegar este projeto político mais longe. Estamos num momento decisivo da História em que é absolutamente necessário chegar às pessoas, dado que a extrema-direita está rapidamente a ganhar território devido a um fator elementar: o discurso simples, básico e direto. As forças de progresso precisam de líderes que, sem desvalorizar a importância da linguagem académica, não transmitam uma narrativa obscura, hermética e direcionada apenas às elites intelectuais, esquecendo-se daqueles e daquelas que pouca literacia possuem, facilitando o caminho ao populismo. É urgente expressar claramente as preocupações de quem é mais desfavorecido, apelando às pessoas sem medo de exigir o que devia ser elementar: acabar com os privilégios de que apenas alguns usufruem e tornar a sociedade mais livre de opressão e mais justa.

O LIVRE depende exclusivamente dos donativos de apoiantes individuais.

Apoia-nos com o teu contributo:

CONTRIBUIR