LIVRE declara apoio a forças progressistas nas regionais da Madeira

LIVRE declara apoio a forças progressistas nas regionais da Madeira

O LIVRE tem acompanhado de perto a situação política na Madeira. Após 45 anos de governação do PSD, 41 dos quais sob a liderança de Alberto João Jardim, a realidade política no arquipélago é preocupante, mas com sinais de esperança. A governação de Miguel Albuquerque em nada se distingue do seu antecessor.

Para uma democracia efetiva e saudável é essencial a existência de oposições fortes e alternativas credíveis. Infelizmente, durante mais de 40 anos de governação de direita, a esquerda não soube trabalhar em conjunto e construir uma alternativa social e política ao jardinismo.

As eleições autárquicas de 2013 e 2017 quebraram esse ciclo e apresentaram alternativas de convergência ampla que lograram quebrar o poder instalado.

Infelizmente não foi possível reproduzir a nível regional as soluções alcançadas a nível autárquico, contra aquilo que o LIVRE considera ser o anseio de todos os progressistas na Madeira.

As razões para esta situação prendem-se sobretudo com taticismos das direções políticas regionais e nacionais dos partidos, que o LIVRE – por natureza um partido de convergência entre progressistas – não pode deixar de considerar incompreensíveis e criticáveis.

Não obstante, o LIVRE não apresentará uma candidatura própria nas eleições regionais da Madeira.

O calendário anunciado sobrepõe a campanha para as eleições legislativas com a campanha para as eleições regionais, sendo objetivo e foco do LIVRE neste momento a eleição de representação parlamentar nas eleições legislativas.

Por outro lado, a Lei Eleitoral da Assembleia Legislativa Regional da Madeira coloca sérios entraves aos partidos extra-parlamentares na apresentação de listas, nomeadamente obrigando à apresentação de 94 candidatos e candidatas para apenas 47 lugares elegíveis, situação que não tem paralelo em outras eleições (sejam as regionais dos Açores, as legislativas, as autárquicas ou as europeias).

O LIVRE considera objetivo principal destas eleições a derrota do PSD e constituição de um governo progressista e de esquerda na Madeira.

Por isso, o LIVRE apela a todos os madeirenses para votarem nos partidos que representem as forças progressistas nestas eleições.

O LIVRE depende exclusivamente dos donativos de apoiantes individuais.

Apoia-nos com o teu contributo:

CONTRIBUIR